últimas resenhas

Resenha livro: Hércules 56


21 de fev de 2013

/
Título:Hércules 56                                                            
Autor: Silvio Da-Rin
ISBN:9788537800386
Edição:1º
Editora: Jorge Zahar
Ano: 2008
Páginas: 345 
Avaliação: Ótimo - uma aula sobre história da Ditatura.

Em 4 de setembro de 1969, militantes de duas organizações da esquerda armada realizaram um dos mais ousados golpes contra a ditadura militar brasileira. Em uma ação sem precedentes, seqüestraram no Rio de Janeiro o embaixador americano Charles Burke Elbrick. Exigiam, em troca do diplomata, a libertação de 15 presos políticos e a publicação de um manifesto revolucionário nos principais órgãos de imprensa. Este é o episódio de que parte o cineasta Silvio Da-Rin para propor uma reavaliação da luta armada no Brasil. Tomando como base a lista de nomes divulgada pelos idealizadores da ação - que contemplava praticamente todos os setores da esquerda -, Da-Rin realizou um documentário em que entrevista os nove sobreviventes do grupo. Promoveu ainda um reencontro histórico de responsáveis pelo planejamento e realização do seqüestro. Neste livro, o significado dessa ação armada, que muitos consideram responsável pelo endurecimento posterior da repressão militar, é discutido de forma franca por seus protagonistas. Eles contam sua trajetória anterior ao embarque no Hércules 56 da FAB que os levou para a liberdade no México, refazem o caminho que percorreram na volta ao Brasil e avaliam criticamente suas experiências.

                Bom, a sinopse do livro mais parece uma resenha, mas vamos lá, fazia um bom tempo que não lia um livro de não-ficção, e quando uma amiga (Letícia, sua fofa) o sugeriu, comprei logo e iniciei a leitura um pouco depois. E o resultado da leitura foi uma maior compreensão sobre a ditatura militar e a luta contra ela.
            O Livro é divido em três partes, uma apresentação, onde o autor relata a sua experiência com a luta, o contexto histórico da época e a repercussão do sequestro do embaixador Elbrick no Brasil e no mundo; a segunda parte, traz entrevistas com nove pessoas que foram libertadas em troca do embaixador; a última parte, é um reencontro com os remanescente do grupo que planejou e executou o sequestro, sendo essa parte a que eu mais gostei no livro.

O destaque do sequestro no Jornal do Brasil, imagem retirada daqui
          A segunda parte é extensa e um pouco cansativa, somos apresentados a 9 dos “resgatados” e cada um fala sobre sua formação política, expectativa para com a luta, se tinha conhecimento do sequestro... o mais interessante dessa parte, é a pluralidade de opiniões, as divergências entre os relatos e o significado da ação para o Brasil.
           Bom, sobre o livro em si, é isso ai, mas vou deixar um pouco minha impressão sobre a leitura e minhas reflexões pós-término do livro ( Ah, o ócio).  Primeiramente, acredito que o tema ditadura não é abordado como deveria nacionalmente, gente, foi um período difícil, duro, repressivo, de lutas e mesmo com tudo isso, não temos aquele orgulho do fim, de falar abertamente sobre o período, de louvar a democracia, de continuar com os movimentos para melhorar o país, cadê o movimento estudantil, sindical? Cadê os músicos que burlavam a censura  e levavam mensagem esperançosa para o país?
A famosa imagem dos prisioneiros trocados, imagem retirada do JBlog
         O livro Hércules 56 é importante por isso, relembra aquela época, traz os militantes e estudantes para contar os anseios de uma época dura, censurada. Se deu certo o movimento ou não, não entra no mérito, acredito que o importante é que houve o movimento, as pessoas acreditavam na mudança. Dito isso, vamos, a parte do país que minha reflexão trouxe...lendo a segunda parte, é notável que muitos dos militantes, pós assinatura da Lei da Anistia ( pretendo falar sobre ela posteriormente no blog), iniciaram a articulação do Partido dos Trabalhadores, que contou com a participação de alguns dos presos libertados com a ação do sequestro – inclusive José Dirceu, que é entrevistado para o livro – e este mesmo partido atualmente encontra-se no poder e parece que simplesmente perdeu as características fundamentais.
            Concluindo, Hércules 56 pode até não ser a leitura ideal, mas é a leitura formadora de opinião, contadora de uma história pouco lembrada e querida no Brasil, creio que vale o esforço de lê-la,  afinal, é conhecendo o passado, que entendemos o presente ( clichê, sei, mas, verdadeiro).

comentários pelo facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Olá, sinta-se à vontade para comentar, sua opinião é muito importante.
Para comentar usando somente o nome e url basta selecionar a opção no menu suspenso "comentar como".
Volte sempre! ♥
(Os comentários são moderados apenas com a finalidade de evitar palavras de baixo calão e de cunho pejorativo)

 

Hiperatividade Literária © alguns direitos reservados - 2016 :: design e código gabi melo